O BASIC ainda esta vivo e chutando

Por incrível que pareça ainda existem versões comerciais do BASIC sendo desenvolvidas

Eu de vez em quando brinco com meu semi-morto projeto de um interpretador BASIC, é uma brincadeira divertida mas sem nenhum propósito comercial, é uma daquelas coisas para fazer apenas pela diversão mesmo.

Mas na minha pesquisa sobre o que tem por ai implementado em BASIC encontrei algumas coisas interessantes e é incrível como uma linguagem antiga e com tantos problemas ainda esta por ai e ainda é possível encontrar compiladores comerciais sendo desenvolvidos hoje em dia para ela.

E sim apesar de eu ser um fã e adorar brincar com BASIC pela nostalgia e pela diversão, não da para negar que BASIC causa mais problemas que benefícios. (Na minha humilde opinião)

Claro, fazia um enorme sentido ter uma linguagem extremamente simples no tempo que o BASIC nasceu, lá por 1964. Maquinas incrivelmente pobres em recursos e com o sólido propósito de ser uma linguagem para iniciantes. BASIC significa Beginner’s All-Purpose Symbolic Instruction Code

ZX Spectrum Eu aprendi BASIC no antiquíssimo TK85 um clone nacional do consagrado ZX Spectrum. Mesmo hoje eu mantenho um ZX Spectrum Next uma recriação em FPGA que é fonte de muita diversão por aqui.

BASIC Puro

Dos compiladores comerciais que encontre o meu favorito é o PureBASIC, eu fiz questão de comprar uma licença só para ajudar o projeto porque tirando o fato de ser BASIC é um compilador bem impressionante. O executável gerado é minúsculo, compila para as três plataformas principais, Windows, MacOS e Linux e tem uma vasta quantidade de recursos.

Para gerar o executável PureBASIC usa o fasm assembler e se você gosta de assembly tanto quanto eu sabe que isso é excelente.

E como se tudo isso não fosse o suficiente o executável final é monolítico, nada de bibliotecas ou interpretadores para serem distribuídos (a menos que você queira claro) e isso é uma grande vantagem.

As licença do PureBASIC é vitalícia, ou seja se você comprou uma licença você tem direito a todas as atualizações enquanto a empresa existir e a mesma licença serve para qualquer sistema operacional suportado.

Mas apensar de todos esses recursos tão legais eu não tenho coragem de usar PureBASIC para projetos sérios, a comunidade é minúscula, o código é fechado e apesar deles estarem produzindo o compilador por décadas e serem super consistentes nada me tira da cabeça que eventualmente podem sumir do mapa. Eu ficaria muito mais confortável se o compilador fosse código aberto.

BASIC no celular

Outro compilador comercial é o B4X que tem versões para compilar até mesmo para Android e iOS, e segue aquela ideia do mesmo código gerar executáveis para as duas plataformas.

BASIC no Arduino

Arduino UNO Um BASIC que faz mais de sentido na minha opinião é o Tiny BASIC que tem vários ports para micro-controladores inclusive o ATmega328P do Arduino.

Faz sentido porque é a combinação de código educacional, não necessariamente eficiente e é muito mais divertido de interagir com um interpretador via seria que passar pelo ciclo de compilação, deploy e teste para quem esta nos primeiros passos.


Visual BASIC

E nem vou falar nada do Visual Basic e do VBA são atrocidades sem tamanho, mas deixo aqui uma linha de comando do VB que é praticamente uma filosofia de vida.

On Error Resume Next

Cesar Gimenes


Compartilhe esse post:

 
comments powered by Disqus